Deserto do Atacama e Salar do Uyuni – Dia 1

foto

Hoje é o primeiro dia dos dez que passarei no norte do Chile e sul da Bolívia, onde estão localizados o Deserto do Atacama e Salar do Uyuni, respectivamente. E todo o roteiro tem uma razão de ser. Estamos em uma região de grandes altitudes e a ordem dos passeios permite que o corpo passe por uma aclimatação com o passar dos dias. Mesmo que você já tenha alguma experiência em altitude, é bastante aconselhável respeitar a ordem para que não haja grandes problemas ou qualquer comprometimento que atrapalhe sua viagem. A diferença de altitude entre São Paulo e San Pedro de Atacama já é considerável: cerca de 1600m. Mas a altitude, por enquanto, ainda não é o problema, mas sim a sequidão. Não é a toa que o Atacama é o deserto mais árido do mundo. A precipitação anual tem sido abaixo de 3 milímetros nos últimos 50 anos, uma das marcas mais baixas do planeta. Mas a baixa umidade, que pode ser nociva aos turistas e exige uma série de adaptações para as espécies que ali habitam, tem as suas vantagens. Ela permite que utensílios e objetos fabricados por grupos humanos há milhares de anos permaneçam em excelente estado de conservação e se transforme em um tesouro para arqueólogos e estudiosos. Mas as diversas mudanças climáticas que acometem o mundo atual permitiu que há um mês atrás ocorresse um evento difícil de se imaginar por aqui – nevou no deserto mais árido do mundo!

A baixa umidade do ar, aliada à limpeza da atmosfera e à altitude elevada em relação ao nível do mar, proporciona uma  enorme visibilidade (cerca de 300km de distância) e visão nítida das estrelas. E, por isso, o Deserto do Atacama se tornou um dos lugares mais propícios do mundo para observar o céu e o espaço. É um dos principais campos de observação para o desenvolvimento de pesquisas da Nasa, que chegou a afirmar que o Atacama é o lugar que mais se parece com a superfície de Marte. Por esta razão, astrônomos do mundo inteiro deslocam-se para cá e no começo deste ano foi inaugurado o Observatório Europeu Alma, que explora o universo através de ondas de rádio (radioastronomia) emitidas por galáxias, estrelas e outros corpos celestes. O gigantesco projeto, estimado em US$ 1,5 bilhão, reúne 66 antenas a 5000 metros de altitude (Planície Sajnantor) que funcionarão como um único grande telescópio, com resolução 10 vezes superior ao telescópio espacial Hubble. A cidade oferece inúmeros passeios astronômicos, aluguel de telescópios e outros mais específicos oferecem o passeio combinado com astrologia e/ou cultura indígena, predominante na região.

DSCN2321

Saímos de São Paulo por volta das 7 da manhã rumo a Santiago com a empresa chilena LAN (LATAM) em um voo tranquilo e com um bom serviço de bordo. De Santiago pegamos um voo até Calama, a cidade com aeroporto mais próxima de San Pedro de Atacama. Fomos de LAN, mas existe a opção de voar até Calama com a Sky Airline. O voo dura cerca de 1 hora e 45 minutos e dali já é possível notar as mudanças drásticas de paisagem. E sempre com a bela companhia da Cordilheira dos Andes . O cenário único e distinto de tudo foi o que mais me atraiu a este destino e ao descer no aeroporto de Calama tive a deliciosa sensação de ter a minha expectativa atendida. O aeroporto é bem pequeno, mas bem simpático. Ali também já pude sentir que o meu kit de sobrevivência para o deserto não era em vão. Só com óculos de sol, boné, soro fisiológico e protetor solar e labial é possível resistir ao clima seco do deserto. E, claro, sem esquecer de beber muuuita água!!! O deserto do atacama pode ser visitado o ano todo, mas as melhores épocas são na primavera (entre setembro e novembro) e no outono (entre março e maio). No deserto a amplitude térmica é muito grande e viajando nesses períodos as temperaturas tendem a ser mais agradáveis. No Salar do Uyuni na Bolívia essas datas mudam um pouco, por conta da época das chuvas, mas será um assunto que tratarei mais adiante em outro post.

O caminho de 1 hora até San Pedro do Atacama pode ser feito por transfers, ônibus ou taxi a partir do aeroporto.  Se a sua opção for o transfer, é aconselhável reservar com antecedência, principalmente para os voos das 7:30AM. Existem ônibus que realizam viagens desde Santiago diretamente a San Pedro de Atacama ou de outras cidades chilenas até Calama. Também é possível ir de ônibus de Salta, na Argentina, diretamente até San Pedro, em uma viagem que dura cerca de 9 horas. Da Bolívia não existe qualquer tipo de transporte comercial e este só pode ser feito por empresas de turismo ou agências de viagem. Quem quiser ir de carro, ao sair de Santiago basta acessar a Ruta 5, conhecida como Panamericana Norte, que separa a capital chilena de São Pedro de Atacama. São cerca de 1.900 km. Estando em São Pedro de Atacama, para se chegar a Calama, basta acessar a Ruta 23, que liga as duas cidades.

Vulcão Licancabur

Vulcão Licancabur

Pegamos a estrada sentido Calama e no caminho já podemos notar a paisagem de pedras e areia, com tons monocromáticos e emoldurado pela Cordilheira dos Andes, a mais jovem do planeta e cheia de vulcões. são mais de 200 deles por toda a cordilheira, mas o que mais chama a atenção, com certeza, é o Licancabur. Ele será nosso companheiro de viagem tanto no Atacama quanto na Bolívia, quando estivermos mais próximos a fronteira. Seu formato cônico perfeito e seus 5.916 metros de altura o torna ainda mais imponente e instiga até aos que não são apaixonados por montanhismo. É considerado um vulcão semi-ativo e oferece aos corajosos e capacitados montanhistas cumes nevados e um lago no interior da sua cratera. A subida pode ser feita desde  acampamento base, localizado a 4300 metros ou de um acampamento intermédio localizado a 4700 metros. Iremos tentar escalar o Vulcão Toco, daqui a alguns dias, mas será em nosso 5o ou 6o dia, pois precisamos estar bem aclimatados para fazer. O VulcãoLicancabur também é de enorme interesse arqueológico e antropológico pois ali existem registros que lembram antigas cerimônias sagradas realizadas pelos incas.

Fizemos algumas paradas durante o caminho e pudemos sentir mais um elemento bastante presente no Deserto do Atacama: o vento. Em um pequeno descuido seu boné ou óculos de sol pode ser levado para sempre. Mas apesar de parecer agressivo, se torna agradável pelo leve e suave sabor de sal. não seria diferente, uma vez que estamos atravessando a Cordilheira de Sal . Trata-se de um lago emergido, onde antigas camadas de sedimentos com diversos minerais (sal, gesso, argila, etc) de cerca de 25 a 30 milhões de anos foram empurradas e levantadas pelo movimento da mesma placa que criou a Cordilheira dos Andes. Dali se tem uma incrível visão panorâmica do Vale da Lua e também do Salar do Atacama, os quais visitaremos nos próximos dias.

Calle Caracoles, a principal da cidade de San Pedro de Atacama

Calle Caracoles, a principal da cidade de San Pedro de Atacama

Por fim, chegamos em San Pedro do Atacama e em nosso Hotel (Altiplânico) que serviria de refugio pelos próximos 6 dias, antes de pegarmos estrada rumo a Bolivia e o Salar de Uyuni. Já era praticamente 6:00PM e resolvemos conhecer o centro e jantar por lá. Depois de uma pequena caminhada de 10 minutos do hotel, chegamos a Calle Caracoles, a rua principal de San Pedro. As estradas são todas em terra e todas as construções do centro devem ter revestimento de adobe, material feito de barro/argila, palha, ossos de animais e as vezes sementes. Essas construções além de manter a tradição são muito resistentes e mantém o interior das casas muito fresco, suportando muito bem as altas temperaturas do deserto. E ao entrar na Calle Caracoles fomos brindados com uma festa típica, pois descobrimos que estávamos na semana de festas pátrias, onde os chilenos comemoraram sua independência. A data é 18 de setembro, mas as comemorações seguem durante toda a semana, com comes e bebes (“chicha”, “piscola”) de graça, além de muitas bandeirinhas e danças.

Danças e músicas típicas

Danças e músicas típicas

Pesquisando um pouco mais sobre o assunto descobri que 18 de setembro não se comemora a independência do Chile, mas sim a formação da primeira junta de governo convocada pelos aristocratas chilenos, cujo objetivo era decidir quais medidas seriam tomadas durante a prisão do Rei Fernando VII da Espanha capturado por Napoleão Bonaparte. Este acontecimento deu início ao processo de independência, que culminaria oito anos mais tarde, mais precisamente no dia 12 de fevereiro de 1818, com a assinatura da Ata de Independência, que consistiu em um documento emitido oficialmente pelo então governador supremo Bernardo O’Higgins. Mas independente do que se comemora, o importante é que nos juntamos aos chilenos e apreciamos uma bela “parillada” acompanhado de “sopaipillas” e “pebre”. E para completar um belo e poderoso “terremoto”! Tudo isso em um ambiente muito agradável no restaurante “La Casona”.

"Sopaipillas" e "Parillada"

“Sopaipillas” e “Parillada”

DSCN2343

“Terremoto”

Farei um post separado sobre os restaurantes que fui, os que mais gostei e falarei das comidas típicas chilenas e atacamenhas. Agora só me resta descansar, porque amanhã o dia apesar de leve, será bem cheio.

Anúncios
Categorias: América do Sul, Esporte + Viagem, Viagem | Tags: | 4 Comentários

Navegação de Posts

4 opiniões sobre “Deserto do Atacama e Salar do Uyuni – Dia 1

  1. Inês de Barros

    Mais uma aventura de Christiane Freire!! Delícia de viagem… aguardando os demais posts desse território árido e cheio de mistérios!

  2. Silvia Commisso

    Este destino que você escolheu foi incrível. As paisagens são belíssimas, os passeios maravilhosos, os contrastes que a natureza nos proporciona indescritíveis, a gastronomia é de primeiro mundo, enfim…..vale a pena conferir…..tomando os cuidados indispensáveis em se tratando de um “deserto”, é claro.!!!!

  3. Ótimo texto! Muito informativo e bem ilustrado.

  4. Fabiane Nogueira

    Chris, viajo pra lá agora na próxima sexta e vim aqui pegar as suas dicas! Estão sensacionais!!! Parabéns!!! Começando a planejar meu roteiro só agora por falta de tempo!!! Super beijo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: