Dois dias em Santiago do Chile (Segundo dia)

Parque Bicentenário

O nosso segundo dia em Santiago foi marcado pela beleza dos parques e de como é bom estar ao livre na capital chilena. No primeiro dia pudemos conhecer e explorar o maior deles: o PMS – Parque Metropolitano de Santiago. Mas à medida que caminhamos e conhecemos mais a cidade, notamos que ela é repleta de áreas verdes, principalmente próximo ao curso do Rio Mapocho, o qual cruza praticamente toda cidade, como é o caso do Parque Bicentenário, localizado no Bairro Vitacura.

Nosso dia começou no  Parque Arauco, o shopping mais famoso do Chile. Vale a pena a visita mesmo que o objetivo de sua viagem não seja comprar, pois o seu grande diferencial é um “boulevard” ao livre com muitas opções gastronômicas e de entretenimento como cinema, teatro e pista de patinação no gelo. O shopping está localizado na parte nordeste de Santiago, em um bairro chamado El Golf. A parte alta do bairro, onde está o Parque Arauco e  as famosas avenidas Isidora Goyenechea e El Bosque, recebeu este nome devido à proximidade do Clube de Golf Los Leones. Trata-se de um bairro luxuoso, repleto de restaurantes, cafés e hotéis cinco-estrelas. Pouco restou do passado residencial da área e a maioria das antigas mansões e casas luxuosas se transformaram hoje em restaurantes. A parte baixa do bairro El Golf foi apelidada de “Sanhattan”, uma mistura dos nomes Santiago e Manhattan, pois é conhecida como a nova zona financeira da cidade. Entre os prédios comerciais mais conhecidos estão o moderno “Titanium”, repleto de vidros e espelhos, e o megaprojeto Costanera Center, um edificio de 60 andares, ainda em construção, mas que promete ser o prédio mais alto da América do Sul. O bairro El Golf, também conhecido como Las Condes, ainda conta com um Centro Cultural (Centro Cívico e Teatro Municipal): um conjunto supermoderno concluído em 2012 e que conta com locais para exposições e um teatro subterrâneo com 800 lugares.

Um pouco mais ao norte  está o bairro de Vitacura. O nome deste bairro está relacionado com a chegada dos incas, quando uma parte deles se instalou na margem do Rio Mapocho e um dos caciques mais importantes convocado por Pedro Valdivia, o fundador de Santiago, foi “Butacura” (que significa “pedra grande”). Atualmente, o bairro é conhecido com a zona residencial mais exclusiva e ocupada pela elite de Santiago. Neste bairro está a avenida Alonso de Córdova, a “Rodeo Drive” ou “Oscar Freire” da cidade, onde em uma extensão de aproximadamente 1 km estão localizadas lojas de grifes poderosas como “Louis Vuitton” e “Longchamp”, além de diversas galerias de arte e a sede do CEPAL (Comissão Ecônomica para a América Latina e Caribe), um organismo da ONU, que ocupa um lindo prédio projetado pelo arquiteto chileno Emilio Duhart. Para apreciadores da boa gastronomia uma dica é visitar restaurantes badaldos localizados da Avenida Nueva Costanera, como La Mar, OX e Terra Noble (fui jantar e recomendo).

Parque Bicentenário

Restaurante Mestizo visto do Parque Bicentenário

Depois de conhecermos o Parque Arauco nos dirigimos ao Parque Bicentenário, localizado no bairro de Vitacura. Esta ampla área verde às margens do rio Mapocho conta com lagoas e trilhas, além de cadeiras e guarda-sóis gratuitos, para sentar, descansar e apreciar a paisagem. O parque funciona como palco para diversos eventos ao ar livre, dentre eles feiras de artesanato. Apenas uma observação para quem gosta de artesanato: uma ótima dica é visitar o Pueblo Los Dominicos, um complexo com cerca de 160 pequenas lojas e /ou ateliês de artesãos. Está localizado a 5 estações de Metrô da estação “El Golf” e os melhores dias para visitar são sábado e domingo, pois concide com a celebração de missas na Iglesia Los Dominicos, a qual está representada na nota de 2 mil pesos e é considerada patrimônio nacional. Após nosso passeio pelo Parque Bicentenário, fomos almoçar no restaurante Mestizo. A comida é boa, e o seu grande diferencial é a incrível vista para o Parque!

Concha y Toro

Dali seguimos direto para a vinícola Concha y Toro. Não preciso ser nenhuma especialista para saber da  fama dos vinhos chilenos e seria um pecado não conhecer mais de perto essa “preciosidade”. A boa reputação dos vinhos chilenos no mercado internacional é relativamente recente.  Tudo isso se deve ao “terroir” chileno, ou seja, uma mistura de fatores (relevo, solo, clima,etc.) que fazem com quem o Chile tenha condições quase que perfeitas para produzir vinhos de altíssima qualidade. E foi diante deste potencial que, nos anos 90, produtores de países como França, Austrália e Estados Unidos se juntaram a vinicultores locais e investiram pesado em tecnologia. Inclusive, à titulo de curiosidade, existe uma uva de nome Carmènere que já foi extinta por uma praga há tempos na França e que hoje só é encontrada no Chile e em nenhum outro lugar do mundo. O motivo desta exclusividade chilena se dá graças a Cordilheira dos Andes, que funciona como “cofre” da uva e a mantém  segura do ataque desta praga, pois é o único lugar do mundo onde ela não consegue ultrapassar. Hoje são cerca de 100 vinicolas e a maioria está localizada a menos de 1 hora de Santiago e muitas delas estão abertas para visitação, como a Concha y Toro, Santa Rita, Cousiño Macul e Undurraga. Para tanto, basta mandar um e-mail ou telefonar para marcar um horário e conhecer as plantações, acompanhar de perto a sua produção e, por fim, degustar os vinhos. A Concha y Toro possui algumas opções de visitas com guias em inglês ou espanhol. Fizemos a básica, que dura praticamente 1 hora. Nela pudemos experimentar as uvas diretamente da parreira, além de conhecer as dependências da vinicola (inclusive o porão onde “descansa” o famoso vinho Casillero del Diablo)  e adquirir produtos e garrafas com preços especiais. Ali encerramos as nossas 48 horas em Santiago e, em breve, voltaremos para conhecer as muitas outras atrações que o Chile tem para nos oferecer.

Casillero del Diablo – Concha y Toro

Anúncios
Categorias: América do Sul, Viagem | Tags: , , , , , , , , , , , | 2 Comentários

Navegação de Posts

2 opiniões sobre “Dois dias em Santiago do Chile (Segundo dia)

  1. Silvia Commisso

    Como sempre….muito boa a sua matéria!!!! De fácil leitura e com conteúdo. Continue a nos informar do que ” o mundo” nos oferece de bom!!!! Bjs

  2. Pingback: Semana Santa na América do Sul | O que abre e o que fecha « Esporte na mochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: